Bodysurf ganha espaço entre os esportistas amantes do mar

Publicado em 21 de abril de 2017
Bodysurf ganha espaço entre os esportistas amantes do mar Foto: Marcelo Piu Bodysurf ganha espaço entre os esportistas amantes do mar Fonte: Marcelo Piu Bodysurf ganha espaço entre os esportistas amantes do mar Fonte: Marcelo Piu

Para quem está chegando agora, o Bodysurf é um esporte que é praticado há muitos anos. Conhecido antigamente como o bom e velho “Jacaré”, esse é um esporte que começou antes mesmo do surf tradicional, tendo em vista que sua prática não necessita basicamente de nenhum material, apenas o próprio corpo e o espírito de aventura para desbravar as ondas, promovendo uma interação muito grande entre o homem e o oceano.

Para muitos, o bodysurf ou “jacaré” é a forma original e mais pura de surfar.

Para facilitar a vida de quem gosta de se aventurar no mar para a prática do “jacaré”, Neville De Mestre, um matemático australiano, professor da Universidade de Bond, desenvolveu uma teoria sobre como utilizar o corpo da forma perfeita nesse esporte. Sua teoria une física e matemática em uma fórmula que calcula o impulso necessário para que a pessoa atinja a velocidade da onda. A fórmula m¨x = P – k¨x2 relaciona a massa (m) do sujeito à velocidade máxima que ele consegue atingir nadando (¨x) e à resistência da água (k). (P) é a força de propulsão e (x) é a velocidade da onda.

É claro que o esporte não é uma ciência exata. Portanto, o que vale mesmo é a sua disposição e a técnica que será utilizada. Como dica prática, De Mestre aconselha que os surfistas de peito nunca peguem ondas tubulares porque elas se quebram rápido. O ideal é procurar por ondas gordas que vão de desfazendo aos poucos.

O melhor do Bodysurf é que é um esporte que pode ser praticado sem que a pessoa tenha qualquer tipo de custo. O investimento feito é apenas na disposição, tendo em vista que não há nenhum tipo de equipamento para a prática. O corpo é o próprio equipamento. Aproveite o mar e vá praticar o bodysurf, o contato com a natureza, com a água do mar traz inúmeros benefícios para saúde e para a mente, além de ajudar no combate ao estresse e a ansiedade.

O site www.espiritooutdoor.com preparou outras dicas de como surfar de peito

Saiba Nadar: É importante que você saiba nadar antes de querer praticar o bodysurf.

Comece pequeno: Para aprender é mais fácil começar com as ondas menores, e mais no raso, para ter a sensação de como funciona o surf de peito. Mesmo em ondas pequenas o bodysurf é bem divertido.

Posicionamento: O ideal para conseguir surfar com corpo é estar no lugar certo e na hora certa. Se você precisar dar mais do que meia dúzia de braçadas para pegar a onda, provavelmente você está posicionado muito para trás da onda.

Direção: Ao entrar na onda, use uma das mãos para direcioná-lo. O ideal é surfar um pouco de lado, no sentido que a onda quebra. Em todo caso, curvas e rolamentos podem ser executados afundando um pouco mais o ombro na água, isso fará com que você movimente-se lateralmente e ganhe velocidade.

Nunca pegue jacarés sozinhos: Algumas ondas grandes podem te surpreender, o que pode causar um acidente. Entre na água sempre na presença de um acompanhante ou com um salva-vidas de olho.

Descanse: O Surf de peito cansa. Para os menos condicionados, dependendo do tamanho das ondas, uma ou duas entradas na água passando a arrebentação podem esgotar suas forças. Sempre que se sentir cansado, saia da água, se hidrate e só volte para a água quando estiver sentindo-se recuperado.

Estude o mar: As ondas se formam, crescem (formando uma parede) e quebram. Observe o mar, veja a dinâmica das ondas, para que lado elas quebram e tente se posicionar um pouco antes das ondas quebrarem. O ideal é surfar a parede da onda, então temos que nos posicionar um pouquinho atrás de onde as ondas quebram.

Saiba sair da onda: Quando você achar que vai “tomar um caldo” (gíria para quando a onda te engole), mova-se de lado de forma a ficar paralelo à onda e execute um rolamento lateral, isso evita que você dê uma cambalhota e engula água.

Evite praias de tombo: Se você entrar na água e após poucos passos o mar ficar muito fundo, provavelmente não será divertido surfar de peito. Nesse tipo de praia as ondas tendem a se formar e quebrar muito forte no raso, o que pode fazer com que, no mínimo, você se rale na areia.

Use nadadeiras: Usar nadadeiras (ou pé de pato) deixa muito mais fácil o ato de Surfar de peito.

Fotos: Marcelo Piu




Comentários