Os problemas do trabalho: lidando com o estresse

Publicado em 06 de outubro de 2017
Os problemas do trabalho: lidando com o estresse Foto: Divulgação O que fazer quando o mundo vira de cabeça para baixo Fonte: Divulgação

A partir de o momento em que uma pessoa vive em sociedade e trabalha em uma empresa que comporta mais pessoas – independente da quantidade de profissionais – ela está predisposta a ter que lidar com possíveis problemas e questões chatas que o emprego e a rotina oferecem. Mas esse não é o fim do mundo.

Segundo Madalena Feliciano, diretora de projetos da empresa Outliers Careers, é comum se deparar com pessoas que passem por esses momentos e deixem que eles o abalem, tanto na vida pessoal e profissional, e esse é o maior erro possível. “Todos passam por problemas no trabalho, desde a fofoca dos colegas, a desmotivação, a falta de estrutura da empresa, as possíveis crises, etc. Porém, para superá-las e não deixar com que elas tirem a harmonia de sua vida, é preciso tomar algumas atitudes: e a primeira delas é identificar os problemas”, diz a especialista.

Quando o problema é o cansaço ou o estresse, a sugestão de Madalena é o diálogo. “É comum nos depararmos com profissionais exaustos, que acumulam cada vez mais funções e, por causa disso, ficam mais estressados e vulneráveis emocionalmente. Quando for esse o seu caso, converse de forma sutil com o seu chefe e exponha a sua situação”, comenta a coach.

Uma boa forma para fazer com que essa conversa funcione é o profissional apresentar argumentos para o seu chefe. “Faça uma lista com as suas tarefas nos períodos antes e depois desse acúmulo, deixando claro o aumento de trabalho. Você deve mostrar ao seu superior que a sua intenção é manter a qualidade das suas funções, e que isso pode levar um pouco mais de tempo para ser feito. Além disso, a lista também é uma forma de você mesmo controlar e analisar o seu trabalho: você realmente está trabalhando demais ou está apenas desmotivado? – se a opção correta for a segunda, as atitudes a serem tomadas podem ser diferentes”, diz Madalena.

É difícil encontrar pessoas que estejam motivadas todos os dias, por isso, se o motivo do seu menor rendimento for o estresse, é preciso pesar na balança se o emprego lhe faz bem. “Motivação e estresse são sentimentos normais para sentir de vez em quando, mas, a partir de o momento em que você tem esse tipo de sensação no seu dia-a-dia, fique alerta: algo está errado”, ressalta Madalena.

Tanto o profissional quanto a empresa saem perdendo quando falta motivação: o resultado de um profissional desmotivado é algo perceptível aos olhos da chefia, - afinal, eles o contrataram e o querem lutando pelos ideais da empresa. “Pondere com cuidado a sua situação: os problemas são os valores impostos pela empresa (que não combinam em nada com os seus) ou é apenas uma má fase? Se a primeira opção for a correta, é preciso repensar se esse realmente é um emprego para você – e se vale a pena você ir contra seus valores pessoais por um emprego. Agora, se a opção que mais tem a ver contigo for a segunda, quem sabe valha a pena dar mais uma chance ao emprego. Todos passam por fases complicadas”, conclui Madalena.




Comentários