Blog da Brigitte

Caso de Campanha

Publicado em 07 de outubro de 2016
Caso de Campanha Foto: Divulgação Caso de Campanha Foto: Divulgação

Durante a campanha eleitoral, enquanto eu ainda assessorava uma candidata (bem feito que não se elegeu, não quis me ouvir...), aconteceu uma coisa que gostaria de compartilhar com vocês: por pouco não fui presa. Não, não pensem que se tratava de alguma ilegalidade eleitoral, tipo boca de urna, compra de voto, ação ilegal, propaganda fora dos padrões, nada disso. A causa foi uma ação completamente inusitada.

O nosso motorista havia saído para resolver um problema e acabei pegando carona com uma querida amiga jornalista para resolver uma questão rapidinha. Como eu não conhecia as habilidades da menina no volante, resolvi aceitar por educação.

Já na saída da vaga, a primeira surpresa: ela não sabia engatar a ré. Se fosse só isso, tudo bem... a posição do câmbio realmente varia de um carro para outro. Ao pararmos para resolver o que eu tinha que ser resolvido, ela me disse que não ia parar na vaga porque não sabia estacionar direito. Já me assustei aí, mas tudo bem..... sou compreensiva.

Fiz o que tinha que fazer e, ao voltar para o carro, começou o meu medo. Ela não conseguia fazer a curva para retornar. Depois de uns 25 minutos que estávamos paradas na esquina, com uma fila de carros atrás buzinando, ela saiu. Em menos de 100 metros, o alarme do carro começou a disparar. Perguntei a ela sobre o alarme e ela disse que nem sabia que o alarme que estava tocando era do carro. Pior ainda, ela não sabia o que fazer e continuou dirigindo como se nada tivesse acontecido.

É claro que me escondi para que ninguém me visse naquela situação caótica. As pessoas olhando na rua como se fossemos duas ladras de carro em fuga (se bem que estávamos a uns 40 km, no máximo...).

Ao avistar um carro da polícia pelo retrovisor, meu desespero aumentou porque a cara de pânico da motorista era nítida. Cara de quem tem culpa no cartório mesmo. Graças a Deus chegamos ao nosso destino rapidamente, saímos do carro correndo e desligamos tudo, fazendo o barulho do alarme parar.

Depois de tomar um copo de água para me recompor, fui conversar com ela sobre o ocorrido. Ela com um semblante lânguido (quem não souber o significado, pode olhar no dicionário porque eu olhei antes de escrever...) me disse claramente: "Não foi nada, não sei porque você ficou preocupada. Estou com a minha carteira provisória que tirei em uma auto escola lá em Paquetá... Eu só não tinha os documentos do carro...", completou a querida jornalista.

Rimos, nos refizemos e continuamos o trabalho... assim é a vida de jornalista em campanha....

Mas como minha amiga Talita diz: "EU ACHO É POUCO..."


Comentários

Brigitte Belmont

brigitte@jornalpress.com.br
Brigitte Belmont é jornalista, publicitária, relações pública, fotógrafa, colunista, redatora, revisora, radialista, apresentadora, produtora, modelo, atriz, diretora, escritora, web designer, pintora, artesã, atleta, maravilhosa, esplendorosa, magnífica, inteligente, poderosa, modesta e mulher presente nas mais variadas e distintas situações para mostrar que a cidade não para e está sempre em movimento.

Compartilhe...